O MVP é a versão de um novo produto que permite a um time coletar o máximo possível de informações validadas e aprendizados sobre clientes com o mínimo esforço e tempo.

Esta é a definição de Erics Ries no livro “A Startup Enxuta”.

MVP (do inglês, Minimum Viable Product) é uma versão simplificada ou simulação de oferta de produtos ou serviços. Ele previne que você desperdice tempo e dinheiro construindo algo que ninguém pode estar interessado.

O conceito surgiu no ano 2000 e ganhou popularidade com A Startup Enxuta, se tornando uma das métodos mais populares para desenvolvimento de produtos e serviços.

Tempo e dinheiro são recursos escassos e valiosos para empreendedores. E desperdiçá-los na construção de um produto que não resolve um problema, baseado apenas em intuição, pode ser um tiro de canhão no pé.

Por isso os MVPs são realizados ainda na fase de descoberta do cliente, para testar e validar hipóteses relacionadas à viabilidade do mercado e a aderência do público à sua ideia.

Segundo a CB Insights, 42% das startups falham pois não resolvem um problema do mercado.

MVP startups sem market-fit

Este número poderia ser muito menor se estes empreendedores todos tivessem feito a lição de casa. Ou melhor: validado suas ideias  de maneira criteriosa.

O que é MVP (significado)

Veja a explicação ilustrada de Steve Blank, um dos gurus da inovação de Stanford sobre o desenvolvimento de consumidores:

MVP-exemplo

O MVP é o segundo item a ser realizado, ainda na primeira fase, de descoberta de consumidores, logo após o surgimento de uma ideia.

O funil proposto seriam as personas-clientes deste produto. Caso suas hipóteses sejam validadas, você encontrou product-market fit e poderá pensar em um modelo de negócios para a sua solução (assinaturas, capacidade, freemium, publicidade etc.).

Caso contrário, é preciso voltar algumas casas, pivotar e tentar novamente até atingir product-market fit.

Como fazer um MVP

o que é um mvp, como fazer e exemplos

Para validar sua ideia, você precisa ter certeza de que as pessoas estão dispostas a pagar por ela.

Seu MVP encontrou product-market fit? Então desenvolva seu produto e escale sua ideia. Não encontrou? Pivote e não persista na ideia inicial. Simples assim.

A complexidade do seu MVP depende do tipo de produto que você está construindo. Diferentes hipóteses podem demandar diferentes tipos MVPs, de testes de Adwords até protótipos tangíveis. Mas como validar hipotéses?

imagem: theleanstartup .com/principles

imagem: theleanstartup .com/principles

A construção de um MVP apoia o processo de descoberta do consumidor. Por isso não se trata de fazer uma versão menor de seu futuro produto, mas sim de percorrer o caminho Construir – Medir – Aprender no menor intervalo de tempo possível.

O objetivo aqui não é conferir a viabilidade técnica, mas sim o interesse dos clientes.

“Se você não sente vergonha da primeira versão do produto, provavelmente você demorou tempo demais para lançá-lo”.
Reid Hoffman, Linkedin.

Esta frase do fundador do Linkedin define a essência de um MVP.  Não se prenda aos detalhes técnicos, estéticos, de UX de seu MVP. Em vez disso, destaque claramamente:

  • a solução que ele oferece
  • a sua proposta de valor 
  • como ele vai mudar a vida das pessoas

A mensagem aqui é parte fundamental do processo.

O Airbnb não surgiu com aquele mapa bonitoso que segmenta os imóveis por regiões. Ele apenas permitia que moradores colocassem seus quartos para alugar para outras pessoas.

Exemplos de MVP

alexandercowan.com/venture-design/

Em A Startup Enxuta, Eric Reis ensina alguns tipos de MVP.

O Wizard of Oz simula a oferta do produto sem possuir suas funções ou um back-office estruturado. O e-commerce de sapatos Zappos validou sua ideia com um Mágico de Óz.

Nick Swinmurn publicou fotos de sapatos em uma página. Sempre que uma peça era vendida, ele corria na na loja, comprava e enviava para o cliente. Assim certificou-se se que o público estava disposto a comprar calçados online.

O Concierge envolve o contato direto com o consumidor através de um MVP tangível ou pessoal.

O FoodOntheTable usou este modelo. Os fundadores batiam na porta dos clientes com um catálogo de receitas. Depois iam ao supermercado e compravam os ingredientes.

Repetiram este processo até estarem certo que havia demanda e escala para investirem em tecnologia.

Este artigo no Medium cita uma série de negócios nacionais que começaram por meio de um Concierge MVP.

Os fundadores do Dropbox criaram um vídeo explicativo de sua ideia.

Logo abaixo vou mostrar 15 formas eficazes para se executar MVPs.

O MVP da EasyTaxi

mvp-easy-taxi

Tallis Gomes e Marcio William testando a primeira versão da Easy Taxi em 2011: a bike do Itaú simulava a ação de um taxista.

Veja o caso do MVP da EasyTaxi.

Durante a validação, os fundadores trabalharam com uma série de hipóteses e gargalos. O primeiro MVP foi uma uma página que coletava o endereço das pessoas, os sócios recebiam os dados por email e ligavam paras as companhias de táxi.

Bingo! Eles comprovaram que as pessoas usariam um serviço online que chamasse táxis para elas.

E assim a EasyTaxi focou seu modelo nas cooperativas, o que não decolou pois as elas não queriam estar juntas no mesmo hub. Então eles pivotaram para os taxistas.

Mas em 2011, os taxistas não tinham smartphones e nem estavam dispostos a comprar um. Então a EasyTaxi comprou 1000 celulares e distribuiu para os taxistas do Rio de Janeiro e assim o modelo decolou. O resto é história.

15 exemplos de MVPs 

1. Entrevistas

Recomendado quando você já possui uma base de clientes e quer validar uma nova feature, serviço ou modelo de negócios. Faça uma conversa informal, sem script, para gerar insights espontâneos.

2. Mágico de Óz

O Wizard of Oz simula a oferta do produto sem possuir suas funções ou um back-office estruturado. Exemplo: você oferece uma integração entre duas plataformas mas em um momento inicial faz o trabalho manualmente. É um dos MVPs mais comuns.

A FoxBit começou desta forma. O fundador João Canhada negociava bitcoins manualmente antes de escalar a operação.

3. Concierge MVPs

O concierge (recepcionista) usa pessoas para simular processos enquanto o produto não escala. Além da FoodOnTable, a Rent The Runway também começou desta forma, oferecendo vestidos de porta em porta para universitárias americanas.

4. Lista de Email

Outro canal poderosíssimo para a validação de ideias! Apresente sua ideia e veja como seu público reage.

5. Landing Pages

Utilize uma landing page para apresentar de forma rica e detalhada a proposta de valor do seu produto. Em seguida, direcione o consumidor para uma ação. Exemplo: uma compra, criar uma conta, assinar a lista de espera etc.

6. A/B teste

Crie duas versões de sua campanha, com versões diferentes de pitch, design ou conteúdo. Análise os dados para ver qual performa melhor. Pegue esta e aplique para base ampliada.

7. Campanha de Anúncios

Rodar algumas campanhas no Google e no Facebook pode gerar dados demográficos valiosos e também sobre taxa de cliques, custo de aquisição etc. Outra possibilidade é testar mensagens com diferentes abordagens.

8. Financiamento Coletivo

Crie uma campanha para arrecadar fundos em sites como o Catarse, Kickante, Broota etc. A Vela Bikes começou assim.

9. Vídeos

Vídeos são uma maneira efetiva e convincente para se apresentar ideias. O Dropbox é um case de sucesso de startup que validou sua ideia usando um vídeo e os signups subiram de 5k para 70k.

Veja o vídeo abaixo:

10. Blogs

Outra maneira eficiente para gerar audiência e medir o engajamento do público com determinado assunto. O Mashable começou como um blog e recentemente foi vendido por US$ 50 milhões – antes tinha sido avaliado em US$ 250 milhões.

11. Mockups

Crie mockups (maquetes) para apresentar uma versão inicial do produto para o seu público. O Mockup World e o Mockuuups são excelentes para isso. 

12. Protótipo Tangível

Em vez de um modelo digital, você cria uma versão tángivel de seu produto. 

13. Single Feature

O Google nasceu como um MVP de uma única função apenas: buscas.

14. Página de Reserva Pré-Lançamento

Eficaz quando você já possui uma base de seguidores ou audiência. É útil para medir o volume da demanda.

Claro que você pode combinar – e é recomendável – mais de um destes modelos para validar sua ideia. Por exemplo: [Mágico de Óz + Lista de Email + Anúncios] ou [Entrevistas + Financiamento Coletivo + Vídeo] etc.

Existem várias combinações e quanto mais dados, melhor!

[Bonus Extra]

15. Ship

Sem um bróder para criar um MVP para você?

Sem problemas. O Ship se tornou tendência para o lançamento rápido de produtos e validação de hipóteses.

Ele permite que o empreendedor faça o pitch de sua ideia simulando uma conversa de WhatsApp. Em seguida, o usuário faz o signup para entrar em uma lista de espera.

mvp-ship

Legal e fácil, né?

Tá bombando tanto que praticamente virou padrão na comunidade de criadores do ProductHunt.

Entendeu o que é um MVP?

Espero que você tenha entendido o objetivo de um MVP – validar hipóteses – e como executá-lo.

Já tem um MVP? Veja como usar o Growth Hacking para atrair milhares de clientes para sua startup. Tem alguma dúvida ou sugestão? Pode me escrever!

Meu objetivo é compartilhar o mais rico conteúdo sem enrolação para promover o seu desenvolvimento! 💪🏼

Este post foi útil para você? Então por favor compartilhe em suas redes 📲 e assine a minha newsletter! 📧

valeu #tmj 👍🏽 

Publicado por Vinicius Aguiari

Eu escrevo sobre assuntos interessantes que farão sua vida melhor. Se conecte comigo!